Postagens

Mostrando postagens de Setembro, 2005

Lamento em vão

Lamento em vão

Quem dera, eu fosse vento,
Pra te seguir e te acariciar o tempo todo
Quem dera, eu fosse água,
Para molhar, limpar e massagear seu corpo,
Quem dera, eu fosse seu.

Então quem dera, eu fosse pedra,
Para não sentir a dor de não te ter
Então quem dera,
Eu fosso o que você quer

Não sendo seu...
Não sendo eu...
Não sendo nada...
Assim eu me perdi...
Não pude então chorar
Não pude reagir.

25/09/2005

as vezes me pergunto onde quero chegar.... nunca tenho a resposta....

Quando me dominou...

Foi naquele momento que eu soube...
Que seu sorriso dominaria meus sonhos
E por toda a minha vida te teria em minha mente
E eternamente eu sentiria seu perfume

Eu eternamente esperaria,
A sua vontade...
A sua companhia
Para vivermos como um só...
Daria meu sangue, meu suor.
E com força te teria comigo.

Eu choraria...
E cairia do lugar mais alto
Caso eu te perdesse,
Ou precisasse te encontrar
Pois com você nada me faltaria
E só em seu amor eu poderia morar.

Chame-me de tolo
Diga que minto
Com esse amor tão meloso
E tão utópico!!
Mas de certo é o que eu quero dar-te:
Um sonho irreal,
Para que saiba que sou o único,
Que pode amar-te como merece.

Então...
Eu eternamente sonharia
Em ser pra você
O que você é para mim,
Sem medo me entregaria
A sofrer de todas as formas...
Desde que você esteja comigo.

Passos para o incerto mundo...

Passando o passado, passos ao futuro.

Passos lentos...
Passos largos...
Passos, e descompassos.

Passos adiante...
Tristes e inconstantes
Passos diante da dor...

Desejo de ficar
Desejo de parar
Desejo de voltar
E nunca mais sair...

Fazer uma morada
Neste lugar... amigos...
E mais nada...

Passos triste...
Passos da vida...
Vida que passa

Eu que vou passando pela vida...
E o meu lugar, minha casa,
Passa a ser de outros um novo lar.

Tristes adeus...
Adeus convívio
Adeus rotina...
Rotina amiga...
Amigos da rotina...
Adeus, adeus...

Passos pela calçada
Desvios perigosos
Esbarra-esbarra.
Passos rápidos,
Passos atrasados

Não é um adeus...
Mas é que sei:
Amanhã não vou te ver...
Nem depois...
Nem sei quando mais.

Passos juntos...
Juntos dizemos até logo
Fingimos que tudo vai dar certo
E eu sei...
Vai dar certo!!
Passos para o futuro.

Saudades.... saudades... sentimento... dor...

Saudade...

Que sentimento é este?
Que me faz pensar em você
Que me lembra sempre de te querer
Mesmo quando estou dormindo
Persegue meu coração

Só pra lembrar que você esta longe...
Só pra lembrar que não posso tela...
Apenas para zombar de minha tristeza
Apenas para provar a minha incapacidade

Lembra-me da sua pela macia
Das horas de caricia
Da juras de amor não ditas
Dos sonhos nunca realizados
Do nosso passado...

Da cama desarrumada
Da fuga desesperada,
Para ninguém nos pegar...

Das noites que eu acordado
Beijava seus lábios
E te via sorrir
Devia sempre ser um sonho bom

E a nossa lua?
E a nossas estrelas?
Nomeamos o céu,
Nomeamos os planetas...
Tudo pelo nosso amor...
Que hoje morreu...

Pena o ser humano
E seus sentimentos,
Durarem menos que seus desejos
Pena, nunca poderei dizer adeus...

Este sentimento...
Saudade, que nunca passará...
Que sempre me fará lembrar
De você...
Pena, nunca poderei dizer adeus...

Amor em vão... escuro

Amor em vão escuro...


È triste, mas tudo passa.
É triste, mas tudo muda.
Mas só agora,
Vendo-te sair por aquela porta
A angustia me tortura.

Tantas brigas fúteis
Tantas palavras duras
Que rasgaram nossos corações

Tantos momentos puros
Felicidades completas
Desejos e descobertas
Que os tempos não trazem mais

O tempo passou de pressa
Ou foi eu quem deixou passar?
Tantos beijos não dados,
Tantos amores rejeitados
Que eu nunca vou poder lembrar

Mas agora me pergunto
No meio desse dês-mundo
Em que vim parar...
Por que nunca me quisestes
Por que nunca me dissestes
Uma palavra para me alegrar...

É com tristeza que eu lembro
De tantos sofrimento que por você passei
Dos versos ignorados,
Das rosas em vão colhidas
Do amor que em vão lhe dei.

E você que  de mim não quer nada,
Que despreza essa amizade,
Que tantos queriam ter...

Você parece me odiar,
Quando eu só sei te amar...
E não importa o que eu faça
Não vou poder te agradar,

Então pra mim basta,
Não quero amigos falsos
Não quero em vão chorar

Acaba aqui agora,
Doce amizade de out…

Meu Niver...

Pensamento de aniversario....

Mas um ano se passou...
E bom acho que fiz o possível este ano...
Diante das minhas metas eu cumpri todas as que tive chance...
Sei que devo ter deixado muitas coisas passarem....
Mas a vida é assim mesmo... Não posso fazer tudo que eu quero...

Mesmo assim... Não sei...
Parece que tem algo faltando...
Algo que eu nunca vou ter...
Mesmo que eu faça de tudo....
Sempre fica esse buraco de insatisfação presente em meu peito...
Um sentimento de ausência...
Não sei o que me falta e nem onde posso curar essa dor...

Desconfio...
Deve ser por ela...
Mas se for??
O que posso eu fazer??
Nada...
Esperar....
Esperar esse dia acabar...
E o próximo... o próximo...
E quem sabe chegue o diaem que eu não sinta mais nada...
Quem sabe....
Se eu tiver sorte....
Quem sabe....


Desejo a mim.... tudo o q sonho....
Desejo a mim.... metade do que eu espero....
Desejo que apenas alguém se lembre de mim...
Não apenas como uma pessoa qualquer....
Desejo que eu seja se......

Um dia, quem sabe....

Olhos de meu amor... a um tempo esquecido... volta a me dominar

Doce Olhos, doce olhar...

Incrível...
Aquele castanho alaranjado
Eu poderia ficar horas,
Apenas olhando aquelas perolas,
Brilhantes e perfeitas,
Tão lindas e delicadas...
Como sua dona...

Eu poderia passar horas
Poderia parar de comer
Poderia parar de viver
Quem sabe parar o tempo
Para poder olhar com cuidado
E não perder nenhum detalhe
Daquele tão perfeito olhar...

Eu usaria de todos os papéis
E cores para representar,
A perfeita obra prima,
Aquele rosto pelo qual
Apaixonei-me...

Ela acaba de perceber
Que eu estou a olha-la
Percebe, e desvia o olhar,
Sente vergonha, finge não notar.
Mas ela sabe que eu a amo
Mesmo o tempo tendo passado
E eu a disfarçar...

Não consigo ficar
Sem ela olhar...
Ela me cativa,
Estimula-me, me faz sonhar,
Desejar, implorar pelo seu amor.
Que eu sei que nunca virá.

Pois mesmo se tudo eu fizer
E de todo jeito me montar, esforçar...
Ela eu não terei...
Triste... melancólico

Acabei me acostumando
A só poder apreciar a beleza
Que eu gostaria de cuidar e tocar
Mesmo que as lagrimas rolem...
Eu não est…

Relato de um amor...

Relato...

Pertencemos um ao outro,
De você eu vim
Sei que para você devo voltar
Sou frágil e pequena
Mas meu amor,
E minha vontade de ver-te novamente
São maiores que a distancia,
Que me separa de você

Não sei voar,
E não sei o me espera...
Quando mais um paço eu der...
Acredito que você vá me ajudar
Acredito que vá me segurar

Muitos como eu, esperam,
Ao seu amor eterno voltar
Eu sou apenas uma gota
Que se juntará a seu mar...
Mar de amor e de carinho,
Busco dar-te a minha felicidade

Raios a minha voltar
E o barulho dos trovoes me lembram,
Que esta chegando a hora.
Preparo-me e respiro fundo,
Derreterei-me em lagrimas do mundo.

Ao ver bem de longe sua imagem
Fecho os olhos e me jogo.
A hora que esperava.

Gotas e mais gotas de chuva
Como eu, começam a cair
Buscando em você
O caminho pra qual seguir...


Na cena de uma despedia... produto de um domingo, que não foi inutil por completo...

Na cena de uma despedida


Ambiente a umedecer
Narinas a arder
Cabelos a se arrepiar
Um corpo ao chão a cair
Uma lágrima simultânea a rolar

Garganta a se fechar
Não conseguia nem respirar
A saudade cresce rapidamente
Pois eu sei que você não vai voltar

Com a mão direita, aperto o meu peito...
A dor parece que vai me matar
Pois ele sabe que essa é a minha vontade
Quem sabe assim você não fosse me deixar
Quem sabe você poderia me perdoar

O som do corpo ao encontrar o chão
Dando-me a certeza... Não havia mais salvação
A dor duplica, me ajoelho ao lado do corpo agora inerte,
O sangue que escorre...

A duvida e a culpa me invadem.
E a mim querem possuir
Por que? Fez isso a si!?
Não se ferindo apenas...
A mim conseguiu matar

E a sua dor de outrora
Que para mim era tão pequena
Percebo agora,
A você devia sufocar

Sinto não ter tido a chance
De a você ajudar...
E agora nem isso te dizer
As facas da culpa
Ao meu corpo querem apunhalar.

Solidão, medo e ilusão
Doenças que me torturarão
Dando-me à vontade,
De a você me juntar.

Não posso…

Reaproveitando esta analogia.... feita e usada hoje...

O céu e a terra
Um ao outro por 3 anos a se olharem.
Se esbarrarem...
E “conviver” sem compartilhar
Um do espaço do outro...
Nunca realmente se falaram...
Esperando o momento certo
Esta a terra a olhar o lindo céu
Dia após dia...
Fascinado por sua beleza,
Alegria...
A terra vê de longe o que deseja
Esperando o momento certo esta...
E quando o céu cairá??
Nunca? Quem sabe...



Você é quem tem que dizer.
Sabe onde e como...

E então ao jogar o olhar à terra
O céu que compartilha pela mesma fascinação
Decidiu descer das alturas, se esquecendo que
Assim a tudo poderia destruir...
A importava apenas ao seu amado se entregar
E esquecer das nuvens que, a todo momento,
Queriam a cobiçar...
A terra ira ganhar seu sonhado céu?
Nunca? Quem sabe...
Você é quem tem que dizer.
Sabe onde e como...