Um dia.. parte 1


Um Dia

 

 

Acordo todo dia como sempre fiz.

O mundo ao abrir os olhos, continua o mesmo.

Mas o ato de acordar, agora é diferente;

Já que você em meus sonhos estava,

Ludibriando minha mente.

O meu primeiro pensamento lúcido do dia é seu.

Sabendo que por todo ele, você vai voltar,

Nas pequenas coisas e em tudo que eu olhar.

 

Visto-me com as cores de sempre,

E já imagino o seu sorriso ao me ver.

Ira falar das minhas cores e vou gostar.

Ao me olhar no espelho é estranho não saber

Se o que eu faço hoje é por mim ou por você.

 

Ao calçar meu coturno sobras do dia anterior.

A imagens dos seus pés, conversar que tivemos

Os caminhos que juntos fizemos. 

Vou em direção ao banheiro,

E no espelho a minha face só me lembra a sua.

Escovo os dentes, cultivando o sorriso que um dia elogiou.

E luto comigo mesmo para não pensar em você.

 

Não consigo...

Pois me cuido apenas para você.

Pego meu material, pasta e mochila.

Ansioso por mais um dia.

 

Sei que conhecimento, aborrecimento,

Sono e diversão me esperam.

Mas, no fundo minha motivação,

Está presente em meu coração,

A certeza de que por mais difícil que seja,

Serei recompensado por sua presença.

 

Luto contra sua memória,  me forçando a não pensar,

Ao entrar no ônibus, penso nas melhores palavras para te contar.

No metrô me faço perguntas que somente você tem as respostas.

 

No caminho é onde mais me distraio,

Observando nuvens, arvores e todo o cotidiano cenário

É quando menos penso em você.

Pois olhando o céu tudo ganha finalidade.

Mas logo você aparece, na analogia que usei,

Pra que pudéssemos nos conhecer.

 

Ao entrar no prédio minha preocupação

É explicitamente te encontrar.

E em cada rosto comum não vejo o seu olhar.

Espero, às vezes, outras vezes, tenho idéia de onde está,

Ou rodo a te procurar.  

 

Encontrando o seu olhar toda a ansiedade muda.

Você me recebe com seu sorriso.

Eu então, não consigo evitar,

Satisfação, contentamento, deslumbramento.

A partir daí estou preso a sua vontade.

E procuro o momento de buscar de você à resposta.

Sobre os seus, e libertar os meus... Sentimentos.

 

Duro, porém, é se não a vejo.

Não te encontrando também me perco.

Fico o dia a me perguntar,

Onde você anda, como você está?

Olhando para a porta enquanto a aula passa

O dia parcialmente perde a graça.

 

O caminho de volta,

Com você promete sempre ser divertido.

Mas quando não está, é simplesmente vazio.

Gosto de ouvir você falar, ouvindo cada palavra,

Presto atenção a cada gesto, sempre a te observar.

O ônibus chega, você entra primeiro,

Senta no mesmo lugar.

Sento ali sempre, mesmo quando você não está.

 

Estou sempre a esperar, o momento para perguntar.

Mas é difícil pra mim falar de sentimentos,

Sou a duvida em pessoa e então surge o medo. 

 

 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Discutindo o racismo texto 2 - Desconstruindo Ruth Catala

Critica Filme " Mundo deserto de Almas Negras" O racismo como sempre vemos e da pior forma.