Eu....


Eu....

 

Eu sou o meu destino

Eu sou a minha esperança

Eu sou os meus desejos

Eu sou minha abonança.

 

Eu sou o avesso do comum

Eu sou a cópia do que desconheço

Sou o caminho desconhecido

Sou o que sempre volta ao começo

 

Sou o que ama veladamente

Sou o que te deixa rosas no armário.

Eu sou o que se esconde de si mesmo

Eu sou o que se conhece no espelho

Eu sou apenas o que sou...

Não ser o que quero é o meu medo.

Não ter o que sonho é minha sina.

 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Discutindo o racismo texto 2 - Desconstruindo Ruth Catala

Discutindo o racismo Texto 1: Piadas racistas

A história que o tempo contou