Amor ou Simplesmente Alguém... e Arvores Dos Cemitérios... dois em um!


Pensamentos...


O amor...  ou simplesmente alguém.


 


 


Passamos a vida procurando o amor ou simplesmente alguém para compartilharmos algo de mais íntimos que temos... algo que necessitamos dar, e receber... o carinho.


Tudo na nossa vida gira por esse desejo, o amor por alguma coisa...


Podemos ser as pessoas mais completas do mundo, ter o amor de amigos, família, amor próprio, mas se nos falta o amor por alguém nos sentimos incompletas, não saber que somos especiais a alguém, isso nos deixa tristes, incompletos.


Se sentir importante a alguém, saber que aquela pessoa esta com você não simplesmente pelo seu corpo ou posses, saber que ela esta com você pois te acha especial de alguma maneira... alguma coisa em você dá a vontade dessa pessoa estar a seu lado, e você ao lado dela.


É isso que todos buscamos, é fácil perceber isso quando vemos uma pessoa que não tem ninguém, perdeu tudo, e a vida lhe traz a felicidade nos braços de alguém para lhe completar, e assim esse amor passa a ser a única e soberana felicidade dessa pessoa, mesmo com todos os seus problemas, a lembrança presente do seu amor a conforta de uma maneira tal, que consegue sorrir entre o desespero.


Verdade também é que, só sentimos falta do amor que não temos, e sendo assim esse passa a ser o amor mais desejado... explico!!:  se temos o amor de amigos e família, e nos falta o amor de uma pessoa que nos ache especial, estaremos sempre buscando essa pessoa que falta, estaremos sempre tristes em meio a felicidade(ou quase felicidade) da nossa vida, mas se temos o amor de alguém, mas nos falta o da família e amigos, também nos sentiremos incompletos.


Somente se, essa amor que em nós é dedicado por esse alguém, seja também o amor familiar, e o amor amigo, e é raro ter os três tipos de amor em uma só pessoa...


Mais sozinhos... somos tristes, sem motivação, o ser humano precisa de mais alguém, não sabe viver sozinho.


 


 Também vou deixar aqui uma pequena reflexão sobre as Arvores Dos Cemitérios


 


As Arvores dos Cemitérios.


 


 


Cresço em chão de terra firme.


Fertilizada pela natureza da vida.


Vivemos em meio à morte.


Figurantes.


Paisagem da passagem da morte.


Enfeitamos, com cores vivas,


O cinza dos que se vão,


A terra que me sustenta a vida.


Deixa em putrefação os mortos.


Contrastando o nascer, florescer,


Com o morrer, e apodrecer.


Trazem para enfeitar túmulos,


Rosas e flores coloridas,


Cores felizes para um momento de tristeza


Daqui de cima, as vejo também apodrecerem.


Morrem tristes e sozinhas, pois embelezam o fim.


Eu também vejo minhas filhas


Folhas,


Sendo levadas dos meus braços


Direto ao chão onde como que tocadas pelo fim,


Também morrem.


Não vejo a felicidade a minha volta.


Não me sinto feliz em permanecer onde tudo é passageiro.


Tudo aqui chega e se vai... Mais eu... Sou paisagem da passagem.


Minha beleza não é apreciada,


Velo o sono eterno de quem nunca chegou a me ver.


Descontentemente permaneço aqui.


Até que tudo em mim morra.


Mais meu corpo vai permanecer,


Como a lembrança eterna da morte em cima dos vivos.


Assustando a todos com meus galhos secos.


Até que um dia talvez, Me arrancarão da terra,


Que me deu a vida, e permaneceu comigo,


Até depois da minha morte.


O meu destino é ser sempre uma lembrança triste.


Ser elemento figurativo da perda eterna.


 


 


 

Comentários

  1. (((:::...Carmen...:::)))
     
    eu li a primeira parte ,o texto inicial....
    e comecei a escrever o que eu pensava....
    fikou um poko grande....
    então resolvi postar no meu espaço....
    depois passa lá e dá uma lida....
    tudo bem q eu começo falando de uma coisa e
    vou pra outra completamente diferente....
    mas é isso aí....Jogador....
    sempre belas palvras...

    ResponderExcluir
  2. jogador...
    eu não falei  das exeções...
    elas existem e com certeza vc pode ser uma.....
    toda regra tem  as suas....

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Discutindo o racismo texto 2 - Desconstruindo Ruth Catala

Discutindo o racismo Texto 1: Piadas racistas

A história que o tempo contou