Capitulo 2, mais uma parte da vida....


Mudam-se os tempos, mas os jovens são sempre jovens, sempre em busca de um caminho a seguir, uma vida para formar, eu já fui assim.Vejam só...


Quem sabe ela não venha? Chegue de vagar e toque a campainha, eu atenderia, a convidaria para entrar, lhe serviria um café, relembraria os velhos tempos, a nossa adolescência, os nossos planos, falaríamos de nossos amigos, inimigos, fatos e boatos daquela época e, contar a novidade sobre cada um dos nossos antigos, bons e velhos amigos. Ela falaria sobre o que fez durante esses anos e eu faria o mesmo.


Com certeza ela falaria do marido, talvez vivo ainda, dos seus filhos e netos e das visitas que costumam faze-la. Eu mudaria de assunto. Falaria do passado, buscaria falar daquela época em que eu ainda queria chegar em algum lugar, me mostrar pro mundo, ser importante para alguém. Bom. Seria ótimo. Claudia.


        Lembra de como já estávamos cheios da escola naquele tempo?Matérias, explicações, exercícios, trabalhos, pesquisas, capas de trabalhos, provas, Boas notas, pois afinal seria importante para poder arranjar um bom emprego, sustentar uma casa...


        Lembra da gente?  De quando agente pensava que ia ser pra sempre, que tudo sempre se resolveria, quando o futuro era apenas desejos num horizonte distante, muito distante.  Importava-me apenas ter você, levou um tempo, mas criei coragem e nossa amizade surgiu e depois o meu amor. Quem sabe o nosso amor.


 


Seria bom. Mas ela nunca virá, mas não me custa ficar aqui, falando para mim mesmo, o que eu queria dize-la, há tantos anos atrás.


Lembro-me de quando eu a conheci, já havíamos estudado alguns anos atrás na mesma classe, mas nunca nos falamos, naquele ano ficamos na mesma classe novamente, então no primeiro dia de aula, juntei toda minha força e coragem para sentar a seu lado e cumprimenta-la. Consegui. Conhecer-te foi a melhor coisa naquela 8ª série, você era tudo e ainda mais.


Penso o que seria de nós hoje se não tivéssemos terminado. Porque você me abandonou? Por que as coisas são assim, uma palavra pode mudar vidas, aquelas que eu te disse naquela noite escura sem lua (normal em São Paulo) em que eu estava confuso, e sem caminho. Naquela noite o nosso namoro completava quatro anos, e em quatro minutos tudo acabou. Eu sempre fui um idiota. Mas você nunca me deu o direito de perdão e nem me disse adeus.


Quando terminei com Claudia, percebi que o futuro tinha chegado, enterrei meus pais naquele ano, e fui morar com uma tia minha ultima parente.


E enquanto, eu via amigos curtindo a vida sem conseqüência (que alguns conseguem levar), e apreciava as garotas, sem nunca chegar a telas, minha juventude foi passando e eu só queria me encontrar. Para isso tentei ser igual aos outros.


Mudam-se os tempos, os jovens são sempre jovens. Quis me provar como adulto para mim mesmo, e consegui?  Pra falar a verdade ainda hoje analisando meus atos, não consigo dizer que valeu a pena.


Isso é viver? Isso que todos fazem... É viver? As distintas preocupações que as diferentes classes sociais tem? Enquanto meu pai se preocupava em trazer comida pra casa, pais de classe média se preocupavam com a diminuição de um terreno pelo fato de o governo ter criado conjuntos habitacionais no mesmo bairro, dinheiro, dinheiro. Como se ganhar, como se gastar, como perder, como acumular. Como será a vida de quem sempre teve tudo que quis? Será que tem mais sentido que a minha? Sim. Talvez. Quem sabe? Eu não sei.


Ser adolescente dói.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Discutindo o racismo texto 2 - Desconstruindo Ruth Catala

Critica Filme " Mundo deserto de Almas Negras" O racismo como sempre vemos e da pior forma.